15/11/2011

PEBLICITO NÃO É ELEIÇÃO E NEM PALANQUE PARA POLITIQUEIROS

PEBLICITO NÃO É ELEIÇÃO E NEM PALANQUE PARA POLITIQUEIROS

Assim como o cidadão comum precisa de diploma para fazer qualquer concurso público ensejando melhores salários. Seria natural que qualquer cidadão que almejasse um cargo político seria obrigatório no mínimo, uma atividade empresarial ou um cargo público adquirido através de um processo seletivo. Evitaria assim, esta quantidade de malandros vivendo a custa da política e usando a mentira como argumentos para se eleger em todas as eleições. Temos no peblicito do Pará, este ano, uma prova evidente do abuso político que está se fazendo de um tema muito importante para a população do Pará. Além da famosa musiquinha, usando agora a dupla querida dos brasileiros (Chibinha e Joelma) o que nos faz acreditar que uma eleição está a acontecer. Os oportunistas que se dizem paraenses, vão a luta sabendo que os resultados (contra ou a favor) só fazem deles futuros eleitos. O peblicito tem que ter debates com pessoas técnicas e não políticos esclarecendo pontos de dúvidas e citando estatísticas com defesa dos interesses de ambas as partes. Todo o cidadão de qualquer canto deste Estado tem direito a saúde e educação. Seus recursos sendo usurpados através de impostos cada vez mais altos nos leva a acreditar numa nova “DERRAMA”. E, é justamente por este motivo e pelo descaso dos seus governantes e seus políticos, que deparamos com a insatisfação geral e o descrédito nos nossos políticos. Não adianta somente dizer que ama o Pará na Tv, tem que justificar este amor, protegendo e aplicando corretamente os recursos oriundos da massa trabalhadora deste Estado lindo que é o Pará.
Os paraenses de Oriximiná, Terra Santa, Óbidos, Juruti etc... Fazem compras em Manaus, e tem O Amazonas como referência de Estado. Muitos dos jovens de lá sequer sabe o nome do Governador do Pará, muito menos qual é o nome do prefeito de Belém. Paraenses, não votem num político que já possui mandato. Votem em novos! Só assim mudaremos o Pará, para melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário